A1941 04. doc As duas últimas festas da Monarquia



Baixar 191.97 Kb.
Página1/2
Encontro29.07.2016
Tamanho191.97 Kb.
  1   2



A1941_04.doc

As duas últimas festas da Monarquia:
Bodas de prata de Suas Altezas Imperiais, a 15 de outubro de 1889.

Baile da ilha Fiscal, a 9 de novembro de 1889.

  

Bodas de prata de Suas Altezas Imperiais



No dia 15 de outubro de 1889, completaram 25 anos de casados a augusta princesa imperial dona Isabel e Sua Alteza o conde d’Eu. À tarde, receberam Suas Altezas, em sua residência, as pessoas que os foram cumprimentar. Também comemorava aquela data o décimo quarto aniversário de Sua Alteza o príncipe do Grão-Pará, primogênito do casal.

Nas Ruas Guanabara e Paissandu era difícil o trânsito. Grande foi o número de corporações, cavalheiros e senhoras, representantes das diversas classes sociais que visitaram o Palácio Isabel, apresentando homenagens e saudações pelos felizes aniversários celebrados.

A Redentora, princesa imperial dona Isabel, educada para os espinhosos encargos do trono, desde cedo compreendera, pelo instinto do seu nobre coração e pela lucidez de seu espírito, a importância de sua tarefa.

Por três vezes, em ausência do imperador, sentara-se, como regente, no trono, dando provas de elevados dotes de inteligência, nos mais difíceis assuntos da administração, despachando com conhecimento de causa e muitas vezes sugerindo soluções novas e acertadas. De cada vez, deixara a ilustre filha de dom Pedro II escrita a sua lembrança na memória do povo e nas páginas da História brasileira, pela prática de algum benefício público, ato de caridade ou benefício social.

D. Isabel, havia pouco, integrara uma página luminosa da nossa História pela redenção dos cativos do Brasil. O acontecimento teve como expressão dolorosa o vaticínio de Cotegipe. No entanto, a grande brasileira, em longa vida de exílio, jamais se lembrou da lei de 13 de maio sem grande emoção de santo e cívico prazer.

O grande amor que dedicava a princesa imperial ao conde d’Eu era verdadeiramente correspondido pelo seu augusto esposo, homem de cultivada inteligência e bem formado coração; brasileiro por efeito do consórcio, tanto quanto pela estima à pátria adotiva, da qual recebera, no comando de seu Exército em guerra e no término dela, as palavras de elogio e de justiça dos seus contemporâneos, que lhe cingiram a fronte com os louros do valor militar. Qual serena figura, no panorama histórico brasileiro, avulta o conde d’Eu como um dedicado às ciências administrativas. Acompanhando os progressos da arte da guerra, prestara relevantes serviços à causa da instrução, fundando o Asilo da Infância Desamparada, o Museu Escolar e outras instituições.

Certo é que ninguém, de bom senso, jamais negou o desinteresse e desprendimento do conde d’Eu aos bens materiais, bastando, para isso, lembrar que ele nunca foi ao Tesouro receber o seu soldo de marechal do Exército e os vencimentos de conselheiro de Estado.
Recepção no Paço Isabel
Por ocasião de suas bodas, receberam os condes d’Eu inúmeras visitas: de S. A. o príncipe dom Pedro Augusto, do ministério, do corpo diplomático, da Guarda Nacional da Corte e de Niterói, do presidente da província do Rio de Janeiro, conselheiro Carlos Afonso de Assis Figueiredo, acompanhado de seu oficial-de-gabinete, Sérgio Ascoli; do dr. Raimundo Correia, secretário do Governo da província do Rio e dos srs. comandante superior da Guarda Nacional e seu estado-maior, comandante e oficiais do 2o Batalhão do serviço ativo, corpo de cavalaria e 1o da Reserva, comandante e oficiais do corpo policial e do chefe de polícia da mesma província.

O conselheiro Carlos Afonso e sua comitiva seguiram em bondes especiais, juntamente com a banda de música do corpo policial da província, fardada em grande gala.

Ao chegarem ao palácio foram recebidos por Suas Altezas; proferindo nessa ocasião o conselheiro Carlos Afonso um discurso pondo em relevo os dotes morais da augusta princesa, relembrando as datas de 28 de setembro de 1871 e de 13 de maio de 1888. Traçou o ilustre político um quadro encantador, em frases brilhantes.

Saudando o príncipe testemunhou o orador grande admiração pelo bravo militar que fora ao campo de batalha, em desafronta aos brios da nação, escrevendo com a sua heróica espada uma página brilhante nos fastos da História Militar Brasileira.

Suas Altezas mostraram-se extremamente satisfeitos e agradeceram aquela prova de leal e dedicado apreço.

Ao Palácio Isabel compareceram, entre tantas pessoas ilustres, os srs.: marqueses da Gávea e Paranaguá, condes de Carapebús e Estrela, viscondes de São Luís do Maranhão e de Sousa Fontes, barão de Loreto, barão e baronesa de Ivinheima, barão e baronesa de Javari, barão de Macaúbas, barão e baronesa de Maia Monteiro, conselheiro de Estado Ordinário senador João Alfredo Correia de Oliveira, conselheiro Tito de Matos, presidente do Maranhão; senador Correia, brigadeiro Clarindo, comendador Topin, dr. Munis de Aragão, dr. Betim Pais Leme e esposa, dr. Silva Romero, diretor do Hospital de São Sebastião; comendador Rodolfo Bernardeli, dr. Emígdio Vitório, diretor do Arsenal de Guerra e seu estado-maior; chefe de polícia da Corte; conde de Santa Fé, bispo diocesano, e monsenhor cônego Eduardo Cristão, inspetor da Capela Imperial, monsenhor Brito, vigário-geral do bispado; dr. Fernando Mendes de Almeida, redator-chefe do Diário do Comércio, comandante e oficiais do Almirante Cochrane, representantes do Supremo Tribunal de Justiça e da relação e comissão do Instituto Histórico, composta dos srs. viscondes de Beaurepaire-Rohan e de Taunay; barão Homem de Melo, conselheiro de Estado Olegário Herculano de Aquino e Castro e Henrique Raffard.

Devemos notar que nessa festa íntima houve participação do povo, demonstrando enternecedora e festiva alegria em saudar aqueles que eram verdadeiramente grandes, não porque estivessem no poder, mas porque sabiam dar brilhante exemplo de acrisoladas virtudes.

Às três horas da tarde chegaram SS. MM. Imperiais, que ali se demoraram e jantaram. O imperador presenteou o seu augusto neto, príncipe do Grão-Pará, com uma rica lapiseira de ouro.

A imperial e venerável Ordem Terceira de N. S. do Carmo entregou a S. M. a Imperatriz, para dignar-se oferecer
a seu neto, o diploma de irmão terceiro daquela benemérita ordem.

Das três até às seis horas foi franqueada a visita dos representantes da imprensa à galeria do palácio onde estavam expostos os mimos oferecidos a SS. AA.:

Um serviço completo de prata para toalete, dentro de uma caixa de marroquim, oferta de SS. MM. Imperiais.

Uma linda peça para centro de mesa, toda de prata e cristal, trabalhada caprichosamente, constando de uma coluna rematada em um festão de prata lavrada, tendo conchas cinzeladas com finura e próprias para frutas e doces, acompanhada de um ramo de flores de prata, oferecida pela Associação Comercial. Esse presente estivera exposto na joalheria Luís de Rezende. Na base da rica peça de prata havia, de um lado, a inscrição: “A Suas Altezas a sereníssima princesa imperial senhora condessa d’Eu e seu augusto consorte o senhor conde d’Eu. Preito de respeitosa dedicação da Associação Comercial do Rio de Janeiro. Em 15 de outubro de 1889”. Do outro lado, um escudo com as armas das casas de Suas Altezas.

Encimando o riquíssimo centro de mesa, completando-lhe a elegância e o valor artístico, achava-se um magnífico buquê de flores, também de prata, trabalho paciente e primoroso de um artista habilíssimo, Pedro Antônio da Costa, que trabalhava no delicado mister de florista de prata, com extraordinária correção e beleza, não tendo deixado, na especialidade, nenhum substituto.

Um cartão de prata fosca, medindo, mais ou menos 20 cm de comprimento sobre 10 de largura, tendo um magnífico brilhante, oferecido pela Guarda Nacional da Corte, apresentando abaixo da gravura das armas imperiais a dedicatória: “À Sua Alteza a princesa imperial e seu benemérito consorte o sr. conde d’Eu, marechal do Exército, homenagem da mais inquebrantável lealdade da Guarda Nacional da Corte. 15 de outubro de 1889”.

Um par de vasos de bronze, japoneses, oferta do príncipe dom Pedro Augusto.

Um crucifixo de prata.

Um riquíssimo candelabro de prata maciça, com 1,35m de altura, nove braços para velas, pesando cerca
de 10 quilos, oferecido por um grupo de senhoras: viscondessa da Penha, viscondessa de Ubá, condessa de Mota Maia, Maria Balbina da Fonseca Costa Calógeras, baronesa de Loreto, Maria Argemira de Paranaguá Moniz, Maria Eufrásia Marques Lisboa, marquesa de Itamarati, Maria Emília Mayrink, Clara M. Mayrink Rebelo, Maria José Paranhos Mayrink, baronesa de Ipanema, Maria Guilhermina Bernardes Raythe, baronesa de São Joaquim, viscondessa de Fonseca Costa, baronesa de Suruí, condessa da Estrela (Cecília), Elisa Guimarães da Silva Costa, Alice Yeats, baronesa de Inoã, Maria Francisca Marinho, viscondessa de Alvarenga, Maria Luísa Roque de Pinho, viscondessa de São Francisco, Clara Nothmann, Maria Pinheiro Gracie, J. R. Le Cocq d’Oliveira e baronesa de Muritiba. Acompanhava o presente uma pasta de couro, tendo no fecho um laço de prata, com as datas de 15 de outubro de 1864 e 1889, além das armas imperiais. A pasta encerrava uma saudação firmada pelas senhoras ofertantes.

Um caixa de prata, para pó-de-arroz e uma cesta também de prata, oferta do barão e baronesa de Muritiba.

Uma tela emoldurada, com o retrato em corpo inteiro do rei Luís Felipe, oferecida pelo duque de Nemours, pai do conde d’Eu.

Duas cestas de prata, oferecidas pela baronesa de Javari.

Um par de jarras de prata, em rico estojo, oferta do barão do Catete.

Uma caixa de prata, para pó-de-arroz, oferecida pela condessa da Estrela, viúva.

Um aparelho de prata maciça, composto de quatro peças, para escritório, oferta das filhas do visconde da Penha; um medalhão de ônix, tendo em relevo de prata os bustos dos príncipes do Grão-Pará e dom Luís.

Um medalhão de prata, com os bustos do conde e condessa d’Eu e dois modelos, em prata, dos lábios e uma orelha de Sua Alteza a princesa imperial, trabalhos de escultura, oferecidos por Rodolfo Bernardeli.

Uma cesta de prata e um porta-flores de prata oxidada, oferta de Joseph White.

Uma jarra de prata tendo um ramo de cravos e violetas naturais, oferta da esposa do conselheiro Raythe.

Uma cesta de violetas naturais, oferta de dona Clara Nothmann.

Uma cafeteira de prata, oferecida pela baronesa de Ipanema.

Um vaso de prata, oferecido pela condessa de Carapebus;

Uma cesta de prata, porta-cartões, oferecida por dona Francisca Tourinho.

Uma estatueta de bronze, Molière enfant, oferecida por Mr. e Mme. Schreiner e comendador Marcelino Schreiner.

Uma rica almofada para sofá, oferecida pela baronesa do Rio Apa.

Uma rica estante de madeira com embutidos de cristal para música, por dona Maria Eufrásia Marques Lisboa; nessa estante viam-se folhas de árvore onde se liam datas e números dos decretos assinados pela princesa nas suas regências.

Uma xícara de prata, do barão de Capanema.

Com o aniversário do consórcio de SS. AA. Imperiais registrou-se um ato de louvável filantropia: o comendador Antônio José Gomes Brandão, indo cumprimentar SS. AA. Imperiais, em nome da administração do Banco Colonizador e Agrícola, do qual era presidente, ofereceu a quantia de 10:000$000 em ações integralizadas do mesmo estabelecimento de crédito, para ser aplicada em donativos a institutos designados pela augusta família.

SS. MM. indicaram a Associação Propagadora das Belas-Artes e SS. AA. a Associação Protetora da Infância Desvalida.

Ao receberem o donativo, as diretoras da Sociedade Propagadora das Belas-Artes e do Liceu de Artes e Ofícios resolveram que do rendimento dessas 25 ações fossem retirados anualmente 200$ para constituírem dois prêmios de 100$ com a denominação de Bodas de Prata, Conde Condessa d’Eu, prêmios que, lembrando sempre este fato, seriam conferidos ao aluno ou à aluna que, freqüentando as aulas de desenho de ornatos, tivessem maior aplicação.

Resolveram mais que se lavrasse um termo histórico da origem do donativo e da criação dos prêmios para ser afixado em duplicata nas aulas referidas.


Baile no Cassino Fluminense
Realizou-se nos salões do Cassino Fluminense, na noite de 15 de outubro de 1889, o baile oferecido pelo comércio da Corte, em comemoração ao regresso do conde d’Eu, das províncias do Norte. Por um requinte de gentileza de seus promotores, o baile realizou-se na data em que os ilustres príncipes comemoravam suas bodas de prata 001.

Suas Majestades Altezas Imperiais e Sua Alteza o príncipe d. Pedro Augusto chegaram pouco antes das 10 horas à sede do tradicional cassino, requintadíssimo de tradições, em cujo ambiente haviam perpassado todas as figuras do reinado de Pedro II, os diplomatas estrangeiros acreditados no Império, os visitantes ilustres, pois aquela casa outra coisa não fora senão o salão de visitas da Corte, quando ainda não sonhávamos com os cassinos de outra espécie…

Cerca de 800 pessoas, salvo melhor cálculo, estiveram presentes, notando-se quase todo o corpo diplomático, ministério, oficiais de mar e terra, oficiais da Guarda Nacional, banqueiros e jornalistas.

Os oficiais do couraçado chileno Almirante Cochrane compareceram, conjuntamente o ministro Plenipotenciário do Chile e seus secretários. Também estiveram presentes os oficiais do cruzador francês Le Sané.

Sua Alteza a princesa imperial trajava um belo vestido broché de seda azul-celeste com guarnição magnífica de rendas brancas de Malines, ornando-lhe o colo riquíssimo colar de brilhantes e enfeitando-lhe os cabelos uma pluma azul com brilhantes; S. M. a Imperatriz trajava vestido de seda cor de chumbo e S. M. o Imperador o grande uniforme de almirante; os srs. conde d’Eu e d. Pedro Augusto trajavam casacas.

Da família imperial, somente o príncipe dom Pedro Augusto dançou, sendo seu par, na primeira quadrilha, a esposa do encarregado dos Negócios da França.

S. M. o Imperador, o conde d’Eu, o príncipe dom Pedro Augusto, tão depressa estavam neste como naquele lado da sala e não houve quem não lhes agradecesse uma afabilidade. No intervalo das danças enchia-se o buffet e o fumoir; fervia o champanhe nas taças e as ondas azuladas dos havanas subiam tenuamente entre as folhagens das palmeiras decorativas. As galerias, o salão, as diversas salas e os terraços laterais, estavam repletos. Destacava-se na multidão o colorido das sedas, os veludos, as casacas pretas e as fardas douradas – entre as quais as de Cavaleiros de São Maurício, da diplomacia, dos ministros e generais, dos fidalgos da Casa Imperial, da oficialidade da Marinha francesa e chilena, dos nossos oficiais de mar e terra e da Guarda Nacional.

Senhoras da mais elevada sociedade animavam as novas quadrilhas, com marcas graciosíssimas e arrebatadoras figurações, ou em valsas de Boston, com seus volteios rápidos e constantes, no dizer das crônicas do tempo.

A família imperial retirou-se pouco depois de uma hora da noite, após o chá.

O serviço do buffet, fornecido pela Confeitaria Castelões, não poderia ser melhor, quer quanto à variedade, quer quanto à presteza com que foi executado. 002

Dentre as belíssimas toilettes das senhoras que compareceram àquela última festa imperial no cassino, foi-nos possível reconstituir as seguintes, feitas pelas casas de Mme. Borges (Welleincamp), Mme. Guimarães e Palais Royal, segundo a Gazeta de Notícias:

BARONESA DE MURITIBA: toilette em moiré francesa branca, com guarnição de aplicação da Inglaterra.

BARONESA DE LORETO: toilette em royal broché ivoire, guarnecida de rendas da Inglaterra.

BARONESA DE VILA VELHA: toilette em broché bouton d’or, guarnecido com panneaux de rendas Duchesse e flores bouton d’or e cardinal.

MARIA BITTENCOURT: toilette em broché mauve ivoire, guarnecidas de rendas da Inglaterra e flores feitas para a toilette.

D. MARIA ANTONIETA SALDANHA DA GAMA: toilette em royal unis et brocard rose du roi.

D. MERCEDES BASTOS: toilette de finíssima gaze branca, guarnecida de violetas de Parma.

SRA. BEZZI: toilette de seda preta com rendas magníficas e guarnição de cravos vermelhos.

SRA. JANSEN: toilette bouton d’or com tablier bordado azul assentado às flores da guarnição.

D. EUGÊNIA DE LIMA E SILVA: toilette en royal e filó cor-de-rosa.

SRA. TEIXEIRA BASTOS: toilette en peau de soie vertgris, guarnecido de damassé de diversas nuances.

SRA. EDMOND LEUZINGER: vestido azul-claro em radzmir, guarnecido de rendas de Bruxelas e miosótis em cujos galhos havia pássaros e ninhos.

D. CONSTANÇA JUNQUEIRA: toilette en moire, francesa, preta, guarnecido de filó preto bordado a ouro.

D. RITA JUNQUEIRA: toilette en surah rosa pálido com guarnição de rendas brancas.

SRA. MELO REIS: toilette en grénadine preta com alto bordado preto de vidrilhos, sobre crèpe-lisse.

D. ANA FRANÇA: toilette en faille preta, com guarnição de rendas e vidrilhos e flores grenat.

SRA. LACASE: toilette e faille cor-de-rosa, guarnecido de rendas Chantilly pretas e flores.

SRA. CHAVES: toilette en tulle crême, túnica em puro gênero grego.

D. ISAURA ROCHA: toilette en armure de seda preta, guarnecida de renda bordada de vidrilhos e franja de vidrilho e ouro, com guarnição de flores cremes.

SENHORITA BARROS: toilette en damassé blanc, garnie de roses et glissines.

SENHORITA ARAÚJO LIMA: toilette en tulle crême, garnie de rubans et dentelles.

SENHORITA EUGÊNIA COUTO: toilette en foulard rose, garnie de crêpe rose.

SRA. MARQUES DE SÁ: toilette genre Empire, vertpâle, garnie d’or.

BARONESA DE INOÃ: vestido de meia cauda, de peau de soie creme, frente de gaze de seda creme, bordada de espigas de trigo da mesma cor.

BARONESA DE MAIA MONTEIRO: vestido de peau de soie de cauda, broché cor de ouro, frente de filó de seda cor de ouro, e lágrimas de cristal cor de ouro.

BARONESA DE SOUZA LIMA: vestido de cauda de chamalote de seda creme, enfeitado de filó bordado de seda da mesma cor.

BARONESA DE IPANEMA: vestido de peau de soie verde de cauda, broché vert et vieux-rose, guarnecido de rendas pretas verdadeiras (de Chantilly).

CONDESSA DE MOREIRA LIMA: vestido de chamalote de seda egípcio azul celeste de cauda, enfeitado de filó de seda azul, recamado de cequins dourados.

D. ADELAIDE COSTA LIMA BRAGA: vestido de cauda de brocatel creme bordado a ouro, guarnecido de filó de ouro, arabesco e rendas douradas.

SRA. CATA PRETA: vestido de cauda de brocatel vieux rose, guarnecido de vidrilhos e plumas da mesma cor.

SENHORITA ANTONIETA PAULA RAMOS: vestido redondo de tricoline verde nilo, coberto de filó da mesma cor (fumê de pium), enfeitado de fitas cor-de-rosa e jacintos cor-de-rosa.

DONA TERESINHA SOUTO: vestido de peau de soie, cor-de-rosa, meia cauda, enfeitado de gaze de seda bordada cor-de-rosa.

DONA CONSTANÇA DE ALBUQUERQUE DINIZ: vestido de peau de soie azul-claro de cauda, coberto de rendas verdadeiras (ponto de Inglaterra).

SENHORITA MARIA RITA AZAMBUJA: vestido redondo de surah de seda branca, enfeitado de crepe-lisse branco, bordado de cor (à Pompadour), buquê de rosas no ombro e rosas com borboletas na cabeça.

SENHORITA JULIETA CARDOSO: vestido de surah branco, enfeitado de gaze de seda branca, bordado de seda frouxa e flores liserons azul-claro.

D. LAURINDA IPANEMA: vestido redondo de Tonkin cor-de-rosa enfeitado de fitas da mesma cor.

SRA. MENÉLIO PINTO: riche toilette à traine en royal bleue et Pekin crême et rose tablier et manches en crèpe rose.

SRA. RODRIGUES TEIXEIRA: toilette à trame en faille rose pâle et guirlandes de roses vieux rose garnie de tulle pampillé d’or.

SENHORITA MALLERS: toilette vieu ble garnie de tulle genre empire grasse ruche dans le bas.

SRA. FIGUEIREDO: toilette en damassé et satin, mais garnie de dentelle blanche.

SRA. LOUPE: vestido de faille cor de pêssego, enfeitado de filó branco bordado, corpinho e cauda de pelúcia verde-musgo.

SENHORITA CASTRO RABELO: um vestido redondo de surah verde nilo; enfeitado de crepe verde nilo, bordado de pérolas.

SRA. LOPO DINIZ CORDEIRO: um vestido de faille francesa, azul-claro, enfeitado de vidrilhos e com cauda de pelúcia mordoré, forrada de azul-claro.

D. SOFIA MONTENEGRO: vestido de faille cor-de-rosa, enfeitado de rendas verdadeiras (de Bruxelas).

A orquestra, composta de 60 professores, executou variadíssimas peças, sob a regência do maestro Domingos Machado.

A comissão organizadora foi incansável com os convidados, cativando-os pela solicitude com que procurava tornar-lhes agradável a festa.

O baile terminou às 4 e meia horas da manhã.

Damos abaixo a lista da grande maioria dos cavalheiros presentes à última festa dada sob o regime imperial no Cassino Fluminense, o salão de festas por onde passaram todos os políticos, a diplomacia, a magistratura, os titulares, toda a gente grande do Segundo Reinado, os estrangeiros ilustres, viajantes, et magna concomitante caterva.


Tenente-coronel Malvino da Silva Reis, Eduardo Montaldo Parlausini, Francisco X. G. Flores, dr. José Felix Barbosa de Oliveira, Domingos Lourenço Lacombe, Júlio Lacombe, dr. Joseph Fogliani, Wilhelm Weselins, Álvaro Cimon Bjerk, dr. Humberto de Saraiva Antunes, Francisco de Paula Palhares, Antônio Ferreira Bulleir, Pedro E. de Castro Araújo, I. V. Hall, dr. Ildefonso de Azevedo Dutra, comendador Antônio José Gomes Brandão, comendador Alberto Emílio Rodolfo Nielsen, Augusto Pessoa Machado, alferes Oscar de Souza Fontes, Richard G. Shearer, Deocleciano da Costa Dória, George Hugh Wyndhan, barão Giulio de Biase, conde Leefried, dr. Joaquim Timóteo de Araújo Neto, dr. Jorge de Azevedo, Segundo Leeson; Alexandre Gasparoni, barão de Sobral, comendador Manuel Pinto de Souza Dantas Filho, dr. Joaquim Quintanilha Neto Machado, Evaristo Juliano de Sá, comendador Guilherme Porio, capitão-de-fragata Eliezer Coutinho Tavares, Olímpio Loup, Alexandre Garcia, Paulo Furquim de Almeida, Luís Gomes Pereira Filho, Anselmo de Azevedo Fernandes, dr. Augusto Serafino da Silva, F. L. Schivind, Teotônio D. Regadas, Lúcio Machado de Freitas, Brett Argh, comendador André Gonçalves de Oliveira, Luís Gex, capitão dr. João Vieira da Cunha Guimarães, Emílio Gruhn, dr. Camera, Pedro Lazarini, Morik Schantz, dr. Fairbain, dr. Américo de Moura Marcondes, Gudin, Pedro Aguinaga, alferes Quirino da Rocha Araújo, dr. Pederneiras, Waldemar Krah, comendador Albino da Costa Lima Braga, Manuel Pereira Fernandes Bravo Filho, dr. Augusto Brant Pais Leme, Max Nothmann, Edward Haynes, dr. Antônio Buarque de Lima, Bernardo do Amaral Savaget, desembargador Antônio Buarque Lima, Elkin Hime, Francisco de Sales, conselheiro Carlos Augusto de Carvalho, dr. João Batista Pereira, dr. João Urbano de Carvalho, barão de Sampaio Viana, dr. Adolpho de Barros Cavalcanti de Albuquerque, alferes Eduardo Franklin de Sá, conde de Dronhoff (barão de Kraft), José Hermida Pazos, dr. Jorge Frederico Moller, dr. Fábio Ramos, F. P. Adams, tenente Fernando Marques de Castro, Maurício Henschel, conselheiro Francisco Caminhoá, conselheiro Ângelo Tomaz do Amaral, conselheiro José da Silva Costa, Foetterle, Custódio Olívio de Freitas Ferraz, dr. Viriato Belfort Duarte, comendador José Pinto de Oliveira, Henrique Martins Pinheiro, Carlos Martins Pinheiro, dr. Antônio Francisco Velho Filho, Antônio Joaquim Bernardes Júnior, dr. Manuel Pinto Ribeiro de Carvalho, barão de Javari, conselheiro dr. Carlos Frederico dos Santos Xavier de Azevedo, dr. Damaso de Albuquerque Diniz, dr. Miguel Arcanjo de Paula Lima, barão de Loreto, capitão Joaquim Antônio Rodrigues, capitão Enéias Augusto Nóbrega de Pontes, dr. Manuel Peixoto Cursino do Amarante, dr. Luís Schreiner, dr. Eduardo Augusto Pereira de Abreu, dr. Alexandre Cardoso Fontes, Luís de Mendonça, capitão Luís de Oliveira e Souza, D. R. Dickson, Alfredo Santos, dr. Virgílio Ramos Gordilho, conselheiro Manoel José Espínola, S. Popper, dr. Luís Henrique Pereira Campos, Edmundo Leuzinger, Joaquim Vieira de Souza, dr. José Maria da Conceição Júnior, comendador Eduardo Pellew Wilson Júnior, comendador Achilles Fribourg, J. Gordon, Brauss, Shephard, comendador Bernardeli, coronel João Alfredo de Ataíde, Patrício da Câmara Lima, Luís Ramos Carneiro da Rocha, tenente Guilherme Alves da Silva Porto, Mansell Lefreve, comendador Gaspar da Silva, Eduardo Romaguera, dr. Honório Teixeira Coimbra, Joaquim Delgado de Carvalho, Artur Watson, Alfredo Romaguera, alferes Anioni Luís de Vincenzi, João de Souza Gomes Neto, Oscar Leers, comendador Efigênio Tourinho, conde de Carapebus, Alberto Porto, dr. João Pedreira de Couto Ferraz, Joaquim Pinheiro Guimarães, comendador Manoel Francisco Correia, dr. Luís de Hollanda Cavalcanti de Albuquerque, major Gomes, dr. Frouget, Frederico Stoll, barão de Mendes Tota, Eduardo George E. Hime, Gabriel Francisco de M. Junqueira Filho, dr. Possidônio de Carvalho Moreira, Manuel Joaquim de Sá, George Sanville, capitão Torquato José da Costa e Silva, major Manuel de Freitas Novais, major José Vítor Mendes Pereira, H. Krogn, Manuel Guimarães, barão de Itapagipe, tenente-coronel Artur José Goulart, J. César de Andrade Duque-Estrada Júnior, comendador José White, conselheiro Manuel da Silva Mafra, comendador Bernardino José Borges, Henry Leubá, dr. Augusto V. Alves Sacramento Blake, Antônio José Marques de Abreu Júnior, dr. Carlos Sampaio, dr. Frederico Smith de Vasconcelos, Machado de Assis, comendador Antônio de Calasans Raythe, Fernando Antônio Pinto de Miranda, Alberto Passos Reeves, José Clemente da Costa, comendador Cláudio José da Silva, dr. Manuel Monteiro de Barros, conselheiro Lucas A. O. Cata Preta, capitão Carlos José Ribeiro Braga, comendador José Joaquim da França Júnior, barão de Quartim, dr. Tobias Morezzi, James Buthom Whitehead, dr. José M. da Silva Velho, dr. Seve Navarro, comendador Joaquim de Matos Faro, visconde de Joselym, Christiano Hercksher, Luís Pereira de Campos, dr. Fano Cumplido Júnior, Alfredo de Mayer, dr. Bueno do Prado, Eduardo Alfredo de Oliveira, conselheiro José Francisco Diana, Carlos de Saldanha da Gama, visconde de Souza Fontes, comendador Ângelo Elói da Câmara, Henrique Romaguera, dr. Edmundo de Oliveira, dr. João Batista Augusto Marques, M. Serzedelo, visconde de Taunay, dr. Francisco Machado Bittencourt, dr. Augusto Cochrane de Alencar, Henrique da Silva Souza Liberal, coronel Carlos José da Costa Pimentel, tenente-coronel Frederico Fontoura, dr. José Macedo de Castro Rebelo, Joaquim Gonçalves de Araújo, dr. José Gonçalves de Araújo, Eugênio Emílio Ratlard, dr. Menélio Pinto, Henrique B. M. Magalhães Mendonça, comendador Antônio Nunes Pires, Lucrécio Fernandes de Oliveira, comendador José Duarte Rodrigues, dr. Carlos Buarque de Macedo, comendador Caetano Pinheiro da Fonseca, capitão Alexandre Dyott, Augusto Hime, d. Amélia Sá Barros e Vasconcelos, Álvaro Minier de Souza, tenente Ernesto Augusto de Sena Pereira, A. C. Souza Brito, d. Eumênia Harper, tenente-coronel Manuel Joaquim Borges de Lima, d. Luísa Sales Pinto, alferes Carlos Alberto Garcez Palha, tenente Leopoldo da Câmara Lima Júnior, comendador Caetano Pinto, capitão Aristides Tavares, dr. J. Gonçalves Guillon, dr. José Carapebus, José Bloem, general dr. Antônio José do Amaral, dr. Alfredo Rocha, capitão João Augusto de Macedo Pais Leme, Rodolfo José Crone, Ritchie, dr. José Maria Conceição Júnior, dr. Marciano Gonçalves da Rocha, Arlindo de Souza Gomes, Virgílio de Oliveira, comendador José Correia de Aguiar, alferes Alberto Moreira, comendador C. W. Gross, tenente Alexandre Mendes da Costa, barão de Santa Margarida, dr. Torquato José Fernandes Couto, Alberto J. P. Hargreaves, comendador Napoleão de Azevedo, dr. Antônio de Paula Ramos, dr. Júlio da Silva Maia, comendador Simões de Sampaio Leite, comendador Bouile, dr. Manuel do N. Alves Linhares, J. A. Giros, Kennedy, barão do Rio Apa, dr. Joaquim José da França Júnior, comendador Adriano José de Melo, dr. Luís Ribeiro de Souza Fontes, dr. Júlio Paranaguá, Henrique Faria, viscondessa de Santa Isabel, Henrique Chaves, comendador Belarmino Brasiliense Pessoa de Melo, conde de Moreira Lima, Bernardo Veloso, dr. Paulo de Frontin, dr. Ricardo Paranaguá, comendador Riva, conde Welserheimb, dr. Camilo Pereira, Álvaro de Sá, vice-almirante Elisiário José Barbosa, dr. Heitor Bastos Cordeiro, dr. J. de Barros Barreto, Alfredo Luís Pereira da Silva, dr. Alberto Maia, conselheiro Rodrigo Antônio de Lamare, Berhan Rochfort, Jeremias A. Adanges, Francisco B. M. Tupin, dr. Silva Ramos, Oscar do Rego Macedo, dr. Hilário Soares de Gouveia, dr. Luís Teixeira de Barros Júnior, dr. Camilo da Cunha Figueiredo, dr. Antônio Joaquim de Magalhães Castro, dr. Luís Betim Pais Leme, dr. Paulo José Pereira de Almeida Torres, comandante Policarpo de Barros, dr. Afonso Celso de Assis Figueiredo, James Mathew, Mário de Magalhães Castro, comendador Tobias Lauriano Figueira de Melo, barão de Muritiba, dr. J. Botelho Benjamin, d. Blas Vidal, Henry Bryanthe, coronel Antônio Germano de Andrade Pinto, Jackson, dr. Francisco Marques de Araújo Góis, dr. Antônio de Paula Freitas, Carlos Brandon, Joaquim Dias dos Santos, José Rudge, Alberto Sertório, Pierre Bogdnoff, José Cândido Duarte, Alfredo A. de Almeida, Alberto Coelho de Oliveira, comendador V. Cernichiaro, dr. Antônio Cardoso de Menezes, alferes Edmundo Bugger Pinto, G. Gudgeon, baronesa de Suruí, Rodolfo Ernesto de Abreu, alferes Oscar Vítor Masson, R. Norton, U. R. Brodie, tenente Joaquim Catrambi, D. A. Frederico Vanderramo, José Silveira Neto, Harold Hime, dr. Carlos Ferreira França, Jorge Ramos, Carlos de Freitas Sá, Alfredo Brusck, Massey, Stacey, dr. Joaquim José da Fonseca Júnior, E. P. Lacaze, José Vicente de Oliveira, dr. Manvilorosth, M. Bryan, tenente-coronel Cândido Alves da Silva Porto, tenente Horácio Ramos Machado, comendador Francisco Satamine, tenente Jorge Schimdt, alferes João Batista Ferraz de Campos, Wittold de Skorzevvski, Louis de Coppet, Álvaro Condé, alferes Domingos Moniz Bernardes, Samuel Gracie, tenente-coronel Leite de Castro, dr. Antônio Roxo Marques Rodrigues, barão de Maia Monteiro, Brandon, José A. F. da Costa, Carlos Keyes, dr. Wilson B. Keyes, dr. Sebastião Saldanha da Gama, Carlos Tross, Augusto de Oliveira Pinto, capitão Luís Pereira Machado, comendador Antônio Joaquim Carvalho Lima, Adains, dr. Artur Rocha, Pedro Maria Navarro, Alberto Gomes de Matos, dr. Luís da Rocha Dias, Luís Henrique Liberal, dr. A. Francisco de Assis Mascarenhas, dr. Lalommsoher, Arsínio Niemeyer, conselheiro João Batista da Fonseca, conselheiro dr. João da Mata Machado, dr. Carlos Perdigão, desembargador Guilherme Coelho Cintra, Luís Pereira, tenente-coronel Valério Correia Neto, Alberto Taylor Maxwell, comendador Luís Rodrigues de Oliveira, conselheiro Domingos de Araújo e Silva, dr. Hans Heilborn, Lucim Lambert, comendador Jorge Naylor, Jacome Nicolau de Vincensi, Ajax Lobo, John Ridgway, dr. Anselmo Nogueira, barão de Ivinheima, capitão João da Silva Torres, Heinrich Rudingez, dr. Rozendo Barreto, Herman Kolkuhl, alferes Rodrigues de Carvalho Júnior, Ventz, capitão F. Câmara, Roberts, Joaquim Xavier Coelho Bittencourt, Manuel Lima e Silva, A. R. Shalders, A. M. Gull, dr. João Lins Cavalcanti de Albuquerque, barão de Inoã, Carlos Niemeyer Soares, dr. Alberto Fialho, Braz Nogueira da Gama, João L. Teixeira Bastos, Germano de Barros, dr. João Dantas, dr. B. Vieira de Melo, tenente Amâncio Raimundo Machado, Antônio Delfim Simões da Silva, comendador Antônio da Costa Chaves Faria, Joseph Ridgway, dr. Honório Augusto Ribeiro, Alfredo Bastos, comendador Alexandre Afonso da Rocha Satamini, Donner, Resil Talham, comendador Frederico Palm, tenente-coronel Joaquim Rasgado, Coliner C. Le Moussunir, Alfredo Smith de Vasconcelos, capitão Bolivar José da Rocha, dr. Cândido Mendes de Almeida, capitão J. Pinheiro Medeiros de Carvalho, tenente Frederico Schmidt, conselheiro Tito Augusto Pereira de Matos, Adriano José de Melo Júnior, conselheiro Carlos Afonso de Assis Figueiredo, dr. Brasílio da Silva Barama, conselheiro Luís José de Sampaio, barão de Sousa Lima, Augusto Quartim, Ernesto Lisboa, Alexandre Maxwell Taylor, Manuel José dos Santos, comendador Pedro Pinheiro Guimarães, dr. Roberto Jorge Haddock Lobo, conselheiro Estevão José da Silva, Antônio da Rocha Paranhos, dr. Lopo Diniz Cordeiro, Clemente da Silva, dr. Firmo de Albuquerque Diniz, dr. Antônio Gabriel de Paula Fonseca, dr. Joaquim de Siqueira, dr. Joaquim José Moreira Júnior, Henrique Brandão, conselheiro Eduardo de Andrade Pinto, dr. Francisco de Queiroz Matoso, Luís Pamplona Corte Real, tenente-coronel Luís Carlos da Costa Pimentel, dr. João Ferreirinha, tenente Eurico Pedroso Barreto de Albuquerque, John H. Lowndes, João Batista Lopes, José Cramer, dr. Francisco Teixeira Magalhães, Manuel da Rocha, Antônio Vaz Ferreira, dr. Francisco José de Oliveira Tosta, dr. Mário de Souza Ferreira, reverendo Mossley, Numa do Rego Macedo, Domingos Ribeiro, João Carlos de Melo, Lyatt, comendador Antônio Teixeira Rodrigues, Carlos Leal, alferes Carlos José Bailly, conselheiro João Marcelino de Souza Gonzaga, dr. Oscar Pederneiras, Raffard, dr. João do Rego Barros, dr. Manuel Inácio Gonzaga, Estevão José Pires Ferrão Júnior, major Anselmo Rangel de Vasconcelos, comendador Manuel de Vasconcelos, Mme. Masset, Joaquim José de Cerqueira, dr. Antônio Teixeira da Silva, d. Francisca Roxo de Souza Pinto, dr. Antônio Jansen do Paço, dr. José Carlos Rodrigues, Frederich Hasselman, Robillard, dr. Francisco Freire de Figueira, Caetano Garcia, barão de Vila Velha, major dr. Carlos Nunes de Aguiar, Guilherme Philips, A. Stelle, Ritchara Sharard, comendador Carlos Gonçalves de Sá, dr. Augusto Álvares de Azevedo, dr. Valenzuela, capitão José Pereira de Barros Sobrinho, capitão José Francisco Masson, dr. Tomaz Wallace da Gama Cockrane, dr. Oscar Borghert, tenente Carlos Augusto Guilherme Arens, Alan Nathan, capitão João Antônio Henrique Arens, dr. Luís Gomes Pereira, dr. Francisco Baiano, tenente Joaquim Máximo Madureira de Sá, dr. Carlos Araújo Gondim, dr. Luís Ferreira de Abreu, conselheiro Manuel de Oliveira Fausto, alferes Armindo Pena Vieira, Henrique Simonard, comendador Diogo Andrew, d. Matilde Machado, d. Ana Favila, conselheiro Bento Luís de Oliveira Lisboa, conde de Estrela, major Joaquim Leandro Ribeiro, Artur Ferreira, Ladislau Neto Filho, capitão Afonso Lima Pereira da Silva, dr. José de Calazans Rodrigues de Andrade, Augusto Faria, capitão Bernardino Antônio da Silva Cardoso, comendador Joaquim Antônio de Souza Ribeiro, Sidney Simonsen, Giovanni Fogliani, alferes Cândido Monteiro Muniz, dr. Luís da Cunha Feijó e Osmund.

O baile da ilha Fiscal

Efetuou-se a 9 de novembro de 1889 com extraordinária pompa o baile oferecido no Palácio da Guarda-Moria, na ilha Fiscal, pelo presidente do Conselho de Ministros, visconde de Ouro Preto, à oficialidade do couraçado chileno Almirante Cochrane.

Excetuadas as visitas feitas pelo imperante e príncipes ao vaso de guerra chileno e o banquete oferecido à sua oficialidade por dom Pedro Augusto, o baile da ilha Fiscal foi a mais solene manifestação oficial de apreço tributada ao governo do Chile pelo governo imperial, após as inúmeras demonstrações de simpatia prestadas à nação amiga, por todas as corporações e povo da capital do Império, durante o largo estágio do Almirante Cochrane na Guanabara.

A fim de realizar esse baile com tão grande e desusado brilho, o governo louvou-se no gosto artístico e solicitude de seus delegados, que se desempenharam galhardamente na organização da festa mais esplendorosa e memorável nos fastos da nossa majestosa baía de Guanabara.

Os encômios tributados ao conselheiro barão de Sampaio Viana, inspetor da Alfândega e ao comendador Adolfo Fortunato Hasselmann, guarda-mor, organizadores do baile, ficam aquém do afã e dos prodígios de atividade que os dois cavalheiros realizaram.

Desde pela manhã daquele sábado famoso, os olhares interrogavam a tranqüilidade azul do céu, fitando-a amorosamente como numa íntima súplica, pedindo-lhe que ornasse a noite de estrelas, deixando para depois da festa as nuvens ameaçadoras, desfeitas na noite anterior em aguaceiro importuno. Veio, afinal, um sol amarelo de verão, constante e quente, acompanhando a marcha do dia que ia passando, promissoramente.

Às duas da tarde, ao começar o movimento dos bairros nobres, principiou a marcha das carruagens para a cidade e a enchente nos bondes – do gárrulo bando que vinha tratar das encomendas delicadas, protestando desconfiança da memória, das notas e principalmente do bom gosto dos pais e dos maridos. Crescia na Rua do Ouvidor a onda multicor dos vestidos e dos chapéus e muita gente perdeu nas transações feitas nesse dia, na Casa Wellicamp, na Casa Guimarães, no Palais Royal, na Casa Mercier, na Combacau, no Barbosa & Freitas, na Mme. Roche, no Formosinho, na Casa Doll, no Pinho, no Preço Fixo, na Notre Dame, no Schmidt e no Chesneaux – tudo quanto ganhou nas transações da Rua da Alfândega.

Acabou mais cedo que de costume o movimento no Centro: era preciso voltar para casa, esperar pela modista e pelo cabeleireiro. Felizes os que conseguiram um cabeleireiro! Houve gente que, para tê-lo, fez penteado de baile às 9 horas da manhã; e para autenticar esta afirmativa, basta dizer que o habilíssimo Alfredo, da Casa Schmidt, saiu em tílburi às oito e meia da manhã e voltou para casa às dez da noite!

Nos barbeiros era igual o movimento: um pobre homem que quisesse simplesmente fazer a barba, tinha de esperar a vez, com a resignação de quem não podia protestar contra nada, até que se acabasse o trabalho dos ferros quentes na feitura das pastinhas com que a elegância masculina, dos dezoito aos vinte e poucos anos, se apresentava então, cheia de bazófia e de cosmético, na conquista dos salões, metida em colarinhos pontiagudos e desferindo olhares de galã através de binóculos sem grau 003.

O povo fazia uma verdadeira procissão, desde o Largo de São Francisco até o Largo do Paço, constantemente renovada pelos contingentes fornecidos pelos bondes de Botafogo, de Vila Isabel, de São Cristóvão, da praia Formosa, da Lapa e do Riachuelo, de todas as linhas enfim, porque cada uma das 500 mil pessoas do Rio de Janeiro que não teve um convite para o baile da ilha Fiscal, tornara-se um inimigo encarniçado, ou do barão de Sampaio Viana, ou do comendador Hasselmann.

No Largo do Paço, mais de seiscentos carros engrossavam constantemente a massa de povo que procurava as barcas e enfileiravam-se, depois, até a Rua da Misericórdia. Seis grandes arcos e dois candelabros de gás iluminavam a ponte flutuante e a estação, onde tocava uma banda de música.

Às capas riquíssimas de seda e arminho acotovelavam os sobretudos leves; as rendas das mantilhas mal ocultavam os penteados, de que escapavam fulgores de jóias rutilantes.

As luzes do gás tiravam milhares de chispas dos brilhantes preciosos e do ouro das fardas bordadas e caíam sobre os chapéus armados e bonés militares. Aí começava a formação dos grupos; onde, de repente, surgiu a princesa imperial, com magnífico vestido preto bordado a ouro, conversando com uma dama de sua casa. Perto, S. M. a Imperatriz, S. M. o Imperador, o conde d’Eu, o príncipe d. Pedro Augusto, os camaristas e veadores. Quatro senadores e dois oficiais de alta patente completavam esse grupo, olhado avidamente por muitos outros, em alguns dos quais bem se percebia a comoção dessa aproximação primeira.

A conversa geral protestava contra a demora da barca que não chegava. Para se distraírem, alguns cavalheiros contavam que o panorama que dali se destacava, era Veneza pura; outros falavam sobre a subscrição do Banco do Brasil; um lembrava que àquela hora, em São Paulo, Bartolomasi estava provavelmente na première do “Schiavo”, a fazer saudades de De Ana. Naquele espaço limitado havia pelo menos cem senhoras.

Na baía cruzavam de um lado e de outro, com lanternas pendentes, lanchas e bóias. A barca que se aproximava, com profusa iluminação de copos de cores, focos de luz vermelha e azul, centenas de lanternas enfileiradas lateralmente de proa a popa, parecia uma ilha fantástica, flutuando docemente, abrindo caminho sobre águas prateadas, deixando um sulco fosforescente, uma deslumbrante esteira misteriosa.

Ao longo destacava-se, nos contornos mínimos, a figura gótica da ilha, com as esguias torres rompendo o espaço, com milhares de luzes, envolvida na gaze de um azul claríssimo, produzida pelos focos iluminativos assestados contra ela pelo Almirante Cochrane e pelos outros navios de guerra, notadamente o Riachuelo e o Aquidabã. A face que se divisava da ponte de embarque, era a lateral da ilha; a barca seguia nessa direção, fazia a volta e aproava para a frente, ficando então entre esta e o Orion (navio da Alfândega), também iluminado.

À proporção que a gente se aproximava, o olhar, já afeito ao esplendor, começava a distinguir os menores detalhes da construção, as figuras movediças dos cavalheiros e das senhoras, cada lanterna, cada copo de cor, cada lâmpada elétrica. Era de um maravilhoso efeito o pavilhão da entrada, onde foram armadas inúmeras pequenas mesas, nas quais as taças de champanhe refletiam em tons caprichosos os milhares de luzes. No pavilhão da ceia, as duas mesas armadas em ferradura ostentavam o riquíssimo serviço da Casa Pascoal: nas cabeceiras do lado do mar, dois enormes pavões estendiam a aberta cauda multicor, abrangendo o espaço dos seis primeiros talheres; seguiam-se alternadamente peças inteiras de caça e peixe, entre as quais ficavam enormes castelos armados em açúcar, de mais de metro de altura, em cujos torreões as bandeiras chilena e brasileira guardavam delicadíssimos bombons. Em frente a cada talher havia nove copos de diferentes feitios, três brancos e seis de cor. De espaço a espaço, erguia-se, ora uma jarra com flores, ora uma urna, ora um candelabro de prata. Mais de oitenta criados faziam o serviço nesta sala, cuja mesa custara o trabalho de quarenta e oito cozinheiros durante três dias consecutivos; os chefes do serviço estavam na pequena sala reservada à família imperial, ao lado e na qual o presidente do Conselho ergueu a saudação ao Chile.

Mais longe, no pátio, viam-se centenas de pessoas, umas passeando de um para outro lado, outras sentadas, umas saindo e outros entrando para os salões. Ouvia-se o som da orquestra numerosa, tocando nos terraços laterais e através das janelas abertas, viam-se os pares que passavam no penoso exercício da dança, penoso naquela acumulação de gente. Efetivamente, nessa festa esplêndida, cuja magnificência esteve além de toda a previsão, apesar de ser um baile, a dança foi um incidente. Nos planos superiores pouca gente havia; alguns animaram-se a subir até o salão de honra.

Às oito horas da noite, no cais Pharoux, principalmente e em outro cais donde podia ser vista a ilha Fiscal, era extraordinária a aglomeração de curiosos, ávidos de apreciar os efeitos da iluminação e o transporte dos convidados para a esplendorosa festa.

A iluminação da ilha refletia-se sobre as águas em luzes multicores e o holofote do alto da torre, de uma intensidade de 60.000 velas, espadanava jorros de luz, batendo em cheio nos edifícios da Praça Dom Pedro II, Igreja do Carmo, Capela Imperial e embebiam-se na Rua do Ouvidor, vistos até do Largo de São Francisco de Paula. Realçava tudo isto a luz pálida da lua, que às vezes ofuscava-se entre densas nuvens para dar maior deslumbramento àquela cena.

Os couraçados brasileiros e o couraçado chileno cruzavam as luzes dos seus grandes focos elétricos, a iluminarem a baía.

Até a meia-noite a multidão foi sempre crescente, enchendo toda a linha do cais desde a doca do mercado até o Arsenal de Guerra.

Os convidados embarcavam no cais Pharoux, repleto de povo, iluminado e ornamentado, bem como a ponte Ferry, com os seus arcos e candelabros de gás de 19 bicos cada um e bosque artisticamente disposto, onde tocava durante o embarque dos convidados a banda de música do corpo policial do Rio de Janeiro em grande uniforme.

O transporte era feito pela barca Primeira, que fizera tantas viagens entre o Pharoux e a ilha, quantas foram precisas, iniciando o seu afã às oito e meia horas.

Foram tomadas todas as cautelas para o mais seguro e cômodo desembarque, com o auxílio de uma prancha móvel atapetada, de corrimões acolchoados e impelida por 12 marinheiros.

Em frente ao cais de desembarque destacava-se um lindo bosque; nas paredes do torreão, via-se de um lado um belo quadro alegórico, simbolizando a recepção do Cochrane, por ninfas e golfinhos saindo da Guanabara e oferecendo ramos de flores aos marinheiros chilenos. Do outro lado, um painel com episódio da história chilena.
O pavilhão da entrada

Corrido em quase toda a extensão do cais, era como que uma sucessão de pavilhões, em que as cores da bandeira chilena alternavam-se simetricamente, nas paredes e no teto.

Para o lado esquerdo, ao primeiro lance do Palácio da Guarda-Moria, estava o pequeno salão destinado ao toucador das senhoras. Tudo o que havia de mais apurada elegância quer em relação aos móveis, quer em relação às alfaias, ali encontraram as gentis fluminenses.

Uma das portas dessa sala abria para os salões de baile.

No primeiro, as paredes sumiam-se sob os festões de flores naturais e palmas. No teto corriam festões de rosas artificiais, de onde refletiam grandes focos de luz elétrica. Ao alto, coroas de flores artificiais rematavam a ornamentação, por sobre troféus de bandeiras brasileiras e chilenas, entrelaçadas.

  


Mais um passo e entrava-se no segundo salão de dança. Na brancura das paredes sobressaíam em relevo duas grandes âncoras, uma toda de rosas, outra simulando aço polido, tendo uma flor a desabrochar em cada extremo.

A essa sala seguiam-se os dois grandes salões de dança. Sobre a porta da entrada de cada um, elevavam-se em magníficas cópias a óleo, os retratos dos almirantes Cochrane e Grenfell, de autoria do pintor Artur Novak. Entre as linhas perpendiculares de festões de flores, por sob as bandeiras chilenas e brasileiras entrelaçadas, refletindo a iluminação elétrica, altos espelhos de guarnição de pelúcia carmesim alinhavam-se paralelamente, ao longo da sala. O soalho desaparecia sob o finíssimo tapete vermelho. Portas e janelas ostentavam preciosas cortinas.

Na outra ala do palácio, três outros salões de dança estavam ornamentados da mesma forma, só divergindo na mobília.

Tanto nessa sala, como na outra, entre o segundo salão e o grande, achava-se armado um bufê especial.


Salão da ceia

Ao lado esquerdo do pavilhão de desembarque, no extremo da ilha, foram armadas duas mesas em forma de ferradura, conforme já vimos.

Em homenagem ao Chile, no lado direito do salão, em escudos das cores azul e encarnada, achavam-se inscritos os nomes dos presidentes e seus principais homens de letras e ciências, desde 1818; ao lado esquerdo, em escudos idênticos, os nomes dos navios da esquadra chilena. Destacava-se na ornamentação desse salão outros adornos com as cores chilenas e grande profusão de lâmpadas elétricas, além de muitos candelabros com velas.

A sala reservada à família imperial e em cujas portas havia muitas cortinas estava ricamente mobiliada, luxuosamente ornada e profusamente iluminada 004.

Os coretos para as orquestras do baile foram levantados nos ângulos das duas alas do edifício e no terraço, transformado em bosque; tocou durante toda a noite a banda de música dos menores do Arsenal de Guerra.

Além destas salas, são dignas de citar a de toilette de S. M. a Imperatriz, com móveis alcatifados de vermelho e ouro, jardineiras japonesas cheias de ramos de violetas, flores que também juncavam o tapete; a do jogo, com oito mesas para voltarete; o salão nobre no primeiro andar, com as suas poltronas e tamboretes de ébano, foi simplesmente ornamentado de pavilhões chilenos e brasileiros, pendentes das colunas e iluminado a globos foscos de luz elétrica.

O transporte de convidados, em sua maioria, fez-se na barca Primeira e em lanchas da Alfândega: aquela cruzava ao largo e estas navegavam pelo canal interior que, desde o Pharoux até a ilha, achava-se assinalado por uma linha curva formada de batelões iluminados a giorno.

Da meia-noite em diante, a barca partia de meia em meia hora, em demanda do cais Pharoux, conduzindo os convidados que ainda chegavam ou se retiravam.

A barca Primeira, fora ornada com pinturas e bandeiras das cores chilenas e brasileiras e iluminada a giorno. De cada bordo estendiam-se linhas de lampiões venezianos multicores de grande efeito, vendo-se as letras C e B engenhosamente arranjadas com pequenos copos de cores.

Interiormente estava alcatifada e iluminada com lanternas e candelabros. No centro havia sido preparado um único camarim, com grande candelabro de prata, para a família imperial.


  
Às oito horas principiaram a chegar os convidados, cujo número crescia a todo o instante.

A primeira leva de convidados aportou à ilha, conduzida pela barca Primeira. A impressão ao desembarcar foi de imensa surpresa. A ornamentação e iluminação da ilha, a giorno e as lâmpadas elétricas de vários sistemas eram sur


preendentes 005. Os convidados que chegaram pela última barca tiveram a mesma sensação porque o encantamento será de todos os tempos indescritível, quer pelo panorama delicioso da baía em noite clara, quer pela fascinação da ilha iluminada à luz elétrica, lanternas venezianas, copinhos de cores, realçando os penachos, os chapéus armados, os vestidos de baile, os brilhantes, as espadas, as pulseiras, os penteados, os decotes, o olhar das morenas e o porte airoso das louras...

Pouco antes de dez horas chegou à estação Ferry a família imperial. S. M. o Imperador fardado de almirante, o príncipe d. Pedro Augusto vestido de casaca, trazendo a grã-cruz do Cruzeiro.

SS. AA. a Princesa Imperial e seu esposo conde d’Eu, embarcaram às 10 e um quarto. S. A. trajava casaca.

Pouco antes haviam seguido para a ilha a oficialidade da Guarda Nacional da Corte em grande gala, assim como os oficiais da Marinha e do Exército.

Os ministros que embarcaram primeiro foram os srs. conselheiro Cândido de Oliveira e barão de Ladário.

Abrigados por enormes toldos, nos terraços do norte, estavam dispostos vários bufês e do lado do oeste enormes mesas para a ceia, ornadas com suntuosidade. Internamente, bufês para senhoras e um separado, para a família imperial.

Todo o serviço foi da Casa Pascoal, dirigido pelos seus proprietários e servido por 150 empregados.

No alto da torre tocava a banda de música do Arsenal de Guerra e aos lados dos dois principais salões de dança, duas orquestras compostas dos melhores professores e dirigidas pelos profissionais Joaquim de Carvalho e José de Oliveira.

SS. MM. Imperiais e Sua Alteza o príncipe d. Pedro Augusto chegaram às 10 horas e foram recebidos ao som do Hino Nacional, por uma comissão de senhoras, pelo presidente do Conselho de Ministros, comendador Hasselmann, barão de Javari, conde de Figueiredo, comendador Rodrigues de Oliveira e outros.

Acompanhavam SS. MM. o conselheiro barão de Sampaio Viana, vários membros do ministério e inúmeras pessoas gradas.

SS. MM. foram encaminhados para o salão do lado sul, onde tomaram assento e onde já se achavam reunidos o sr. Vilamil, ministro da República do Chile, o segundo secretário da legação chilena, o conde (cônsul do Chile) e condessa da Estrela, vários membros do corpo diplomático estrangeiro, oficiais de mar e terra, senhoras e cavalheiros da mais alta sociedade fluminense.

O capitão-de-mar-e-guerra dom Constantino Bannen, comandante do Almirante Cochrane e mais oficiais do couraçado chileno, chegaram à ilha pouco depois de SS. MM. Imperiais, numa lancha a vapor.

Os oficiais do couraçado Almirante Cochrane foram recebidos pelo presidente do Conselho de Ministros, barão de Sampaio Viana, comendador Hasselmann e Estado-Maior da Guarda Nacional.

Em volta da ilha, barcas iluminadas, chalupas a vapor, escaleres apinhados de famílias paravam a pequena distância, admirando o esplendor das iluminações, das toilettes, das músicas e dos revérberos multicores nas serenas águas da baía, revérberos aos quais se juntavam os poderosos jatos luminosos elétricos dos holofotes da ilha, do couraçado chileno e dos couraçados brasileiros.

Sua Alteza a Princesa Imperial e Sua Alteza o sr. conde d’Eu fizeram entrada no salão às onze horas.
O baile

Dado o sinal da primeira quadrilha, as contradanças começaram nos dois grandes salões às onze horas em ponto.

As danças foram dirigidas pelos srs. barão de Maia Monteiro, dr. Miguel Arcanjo de Paula Lima, Luís da Gama Berquó, Raul de Sampaio Viana, dr. José Pinto de Souza Dantas e José de Figueiredo.

A Primeira, no seu incessante vai-e-vem, apinhava ainda quando à uma hora da madrugada aportava à ilha e não será exagero computar em número superior a quatro mil os convidados que tomaram parte nesse baile memorável.

Tudo quanto se distinguia em posição elevada, política, diplomacia, magistratura, exército, armada, ciência, imprensa, belas artes, comércio, letras e indústrias, lá se achava brilhantemente representado.

A uma e meia da madrugada, SS. MM. e AA. Imperiais tomaram lugar na mesa da ceia que lhes fora preparada, no pavilhão para esse fim construído e em compartimento contíguo parte dos convidados, em duas grandes mesas de forma semi-oval.

Ao servir-se o champanhe, foram corridos os reposteiros que dividiam as duas salas.

O visconde de Ouro Preto, presidente do Conselho, ao champanhe, em eloqüentes palavras, ergueu o brinde, recordando os serviços prestados pelo almirante Cochrane ao Chile e ao Brasil, a amizade das duas nações sempre constante e demonstrada em diversas circunstâncias, lembrando os progressos e engrandecimento do Chile, que ocupava posição respeitada entre as nações cultas, referindo-se à índole generosa do povo chileno, acentuando o seu constante empenho na manutenção da paz, honrando o patriotismo e o valor dos cidadãos daquela República; disse que aquela demonstração não era só do governo, era do povo brasileiro cujos sentimentos de fraternal amizade interpretava naquele instante, devendo acrescentar que não era só a amizade que a determinara, mas também a gratidão pelo acolhimento e obséquios prestados aos nossos compatriotas quando aportavam ao solo chileno.

Dirigindo-se depois, nos termos mais afetuosos, ao ministro, comandante e oficiais chilenos, concluiu levantando um viva ao Chile.

Este viva foi entusiasticamente correspondido subindo ao ar uma grande girândola e dando a fortaleza de Villegaignon uma salva de 21 tiros.

O sr. Manuel Vilamil Blanco, ministro do Chile, respondendo ao visconde de Ouro Preto, disse que um sentimento que enchia o seu coração e que esse sentimento, também de todo o povo chileno, era a gratidão. Reconhecido a tantas, tão afetuosas e honrosas demonstrações feitas ao seu país, tendo ouvido, pela voz autorizada do presidente do Conselho, os mais lisonjeiros conceitos, assegurava que o Chile sentia-se feliz e orgulhoso com a amizade que em longo período o unia ao Brasil.

Só em último extremo, disse o ministro, quando esgotados todos os recursos e se tornasse imprescindível a defesa de sua honra e de seus direitos, recorreria o Chile às armas porque o seu empenho era a paz, pois reconhecia que só com ela prosperavam e engrandeciam os povos.

Recordando o longo período de paz que tinha gozado o Brasil, graças ao valioso concurso do chefe da nação que a ela se tinha consagrado dia por dia, hora por hora, minuto por minuto e sentindo-se feliz e orgulhoso pelas demonstrações feitas ao seu país, levantava um viva à prosperidade do Brasil e a S. M. o Imperador.

Ao comandante e oficiais chilenos, alvos das maiores atenções por parte das senhoras e cavalheiros presentes, foram dirigidas diversas saudações por pessoas que com eles se achavam e não podendo reproduzi-las, referimo-nos às dos conselheiro Diana, ministro de Estrangeiros e Duarte de Azevedo.

O comandante Bannen respondeu às duas saudações, em uma alocução na qual reiterava os seus protestos de gratidão pelas repetidas atenções feitas ao seu país, externando a mais lisonjeira opinião sobre as instituições, governo e povo brasileiros, fazendo o elogio do seu progresso e adiantamento, apreciado por ele e seus oficiais nas visitas feitas aos estabelecimentos de natureza diversa.

Retirados dos pavilhões da ceia os primeiros convivas, foi a lauta mesa consecutivamente renovada e servida aos demais convidados 006.

Às duas horas da manhã, estavam as danças no seu entrain e em volta da ilha e no cais da cidade ainda avultavam os curiosos.

SS. MM. e AA. Imperiais conservaram-se no palácio fiscal até às três horas da madrugada, retirando-se então com as mesmas formalidades com que foram recebidos, S. A. o príncipe dom Pedro Augusto, que tinha ido com SS. MM., demorou-se ainda algum tempo.

Ao comandante Bannen ofereceu S. M. o Imperador o episódio de Claura, por ele traduzido, do poema Araucania. Essa oferta muito lisonjeou ao comandante, que agradeceu reconhecido de tanta bondade e distinção.

Algumas toilettes das milhares vistas no baile, pelo cronista da Gazeta de Notícias:

S. M. A IMPERATRIZ: vestido de rendas de Chantilly pretas, guarnecido de vidrilhos.

S. A. A PRINCESA IMPERIAL: toilette de rica moiré antique preta listada, tendo na frente corpinho alto bordado a ouro. No cabelo opulento diadema com brilhantes (grandes elogios a esta toilette pelas próprias senhoras).

BARONESA DE JAVARI: riquíssimo vestido em moiré-noir, grande traine, corpinho guarnecido por duas folhas de croton em veludo com rendas, quatro brilhantes, fingindo gotas de orvalho. Faixa preta presa por grande fivela de brilhantes; no cabelo duas borboletas pretas, presas por um pente de ouro cravejado de brilhantes.

BARONESA DE LORETO: rica toilette de veludo preto, guarnecida de vidrilhos.

BARONESA DE PINTO LIMA: opulento vestido em gorgorão preto.

SRA. M. FRONTIN: vestido em moiré branco, bordado de pérolas e guarnecido de rendas verdadeiras. Grande cauda.

SRA. GEORGINA MARTINS: vestido em chamalote branco, com silvados de rosas; guarnecendo a saia, corpo e cabelos, buquês en vellours.

SRA. JOSEFINA TOLEDO: vestido em chamalote creme com listas salmão. Mangas a juive. Guarnição de margaridas sobre filó com pingentes d’acier.

BARONESA DE INOÃ: vestido de cetim azul-claro, broché; liserons de cor, saia de ottoman azul-claro guarnecido de vidrilho.

SRA. BEZZI: toilette de reps-armure vert-pomme, guarnecido de passementerie, cauda coberta por grande túnica de aplicação de Inglaterra, com guarnição de rosas de Alexandria.

SRA. JANSEN DO PAÇO: vestido de broché preto egípcio com rendas e guarnições de tulipa.

SRA. EURÍDICE BASTOS: toilette de grenadine listada, cor de fogo, guarnecida com rosas creme.

SRA. CHRISTERN: vestido de royal branco com rendas e flores da mesma cor.

DONA AMÁLIA DANTAS: vestido de crepe de Chine vert-cactus, com renda Chantilly e panneau de crepe bordado de preto e pavot rosa.

DONA MARIA LUÍSA DANTAS: elegante toilette azul-turquesa, coberta de rica aplicação de Inglaterra e guarnição chrysontines.

DONA MERCEDES DA COSTA BASTOS: toilette de filó preto enfiado de fitinhas pretas e guarnição de lilás e junquilhos brancos, semeada de papillons d’or.

SRA. OLIVEIRA ROCHA: vestido de seda indiana, listado de bronze e branco, guarnecido de passamenterie bronze, corpo com flores cardial e brilhantes.

MLLES. GODÓI: toilettes en voille-crême, com tabliers de chuva de fitas moiré e faixa da mesma cor.

MLLE. MONTEIRO DE AZEVEDO: vestido de seda branca, com guarnição de rendas e fitas.

MLLE. RATON: vestido de seda cor-de-rosa, guarnição de filó e flores.

MLLE. JULIETA CORDEIRO: vestido de sirah branco, enfeitado de crepe lisa bordado e de flores.

DONA MARIA LUÍSA CHAVES: vestido de sirah cor-de-rosa, coberto de rendas brancas, aplicação de Inglaterra.

SRA. SIQUEIRA: vestido royal elétrico com rendas brancas e rosas, bordado da mesma cor.

SRA. OLIVEIRA COSTA: vestido de faille branco com alta tira de crepe bordada de pérolas e guarnição de folhagem.

DONA EMÍLIA DE SÁ: vestido de rica moiré antique vert-aquatique et feu, com salpicos de dois tons.

BARONESA DE VILA VELHA: vestido de peau de soie de diversos tons dominando o chaudron com rico bordado em relevo e flores cardial.

DONA INÁCIA JUNQUEIRA: vestido de peau de soie azul coberto com broché do mesmo tom e filó preto listado por fitinhas azul e creme; rosas miúdas no peito e cabelos.

DONA CONSTANÇA JUNQUEIRA: vestido de reps vert-pomme e broché mesma cor e rosa, com alta banda de filó matizada das cores do broché.

DONA RITA JUNQUEIRA: vestido rosa e alta renda branca.

SRA. MARQUES LISBOA: vestido de Gras-surah, soufre com rendas brancas e parasitas rosa e guarnição de fitas rosa.

DONA ROSA MARQUES LISBOA: vestido de peau de soie branco e gaze bordada.

DONA MATILDE MARQUES LISBOA: vestido de peau de soie rosa e gaze bordada.

SRA. FRANCISCO PINTO DE OLIVEIRA: vestido de peau de soie azul-claro, enfeitado de filó de seda, bordado a seda frouxa e bela cauda de pelúcia cor de safira.

MLLE. EULÁLIA MARQUES LISBOA: vestido de surah azul-claro, enfeitado de fitas azul-claro.

MLLE. GUILHERMINA MARQUES LISBOA: vestido de surah azul-claro, enfeitado de fita azul-claro.

SRA. MENDES RIBEIRO: vestido de faille verde nilo, guarnecido de alto bordado de crepe em diversos tons, passementeries e veludo esmeralda.

DONA MARIA BITTENCOURT: vestido de moiré francesa preta, guarnecido de filós com pastilhas da mesma cor e flores cordial.

SRA. EDMOND LEUZINGER: vestido de reps e crepe da China salmão, com bordado matiz.

SENHORINHA ELVIRA FARINHA: toilette de surah; gaze bordada, branca.

SENHORINHA ALMEIDA: vestido de surah e filós com pastilhas, branco.

SENHORINHA CECÍLIA AGUIAR: mimosa toilette de gaze branca, com linda e original guarnição de lizerons azul-claro.

SENHORINHA HERMÍNIA BASTOS: vestido de gaze branco.

SENHORINHA ISABEL JACOBINA: vestido de peau de soie et filós point d’esprits rosa.

DONA FRANCISCA BARBOSA DE OLIVEIRA JACOBINA: toilette de cetim Duchesse creme, coberta de rica guarnição de renda verdadeira Chantilly.

SRA. ROXO MONTEIRO DE BARROS: rico vestido de peau de soie azul-claro e broché azul e mais, desenho oriental, com renda Chantilly e rica guarnição de rosas-chá.

DONA ANTONIETA SALDANHA DA GAMA: vestido de faille vert-montagne, coberto de renda preta.

DONA MARIA JOSÉ DE VASCONCELOS: vestido de moiré antique héliotrope e branco.

DONA ANA FRANÇA: vestido de peau de soie fleur de pécher, bordado de tom mais claro e ouro.

SENHORINHA ANA FRANÇA: vestido de seda branco, broché Pompadour, enfeitado de crepe lisa de seda, bordado a Pompadour.

DONA MARIA FRANCO DODSWORTH: vestido de faille branca, guarnecido de rendas Malines e plumas.

SRA. REGO MACEDO: elegante toilette de grasse, cote vert-d’ires coberto de volante de renda de Inglaterra e lindas rosas.

SRA. CHAGAS DE ANDRADE: vestido de rica grenadine azul-celeste com guarnições de flores miúdas.

SENHORINHA ALBUQUERQUE MARANHÃO: vestido de surah branco com rica faixa broché e flores.

DONA ADELAIDE LIMA BRAGA: riquíssimo vestido de ratzmir de cauda azul-celeste e rico broché da mesma cor, enfeitado de filó de seda bordado a prata.

SRA. LUÍS RAFAEL VIEIRA SOUTO: vestido de chamalote coberto de filó de seda preto e bordado com folhas de tinhorões.

SRA. CHAPOT PREVOST: vestido de peau de soie cor-de-rosa, enfeitado de bordado de seda sobre gaze cor-de-rosa.

SRA. CATA PRETA (conselheiro): vestido de veludo de seda, preto, enfeitado de vidrilhos, bela traine de veludo.

BARONESA DE MAIA MONTEIRO: vestido de cauda, de cetim Duchesse creme, enfeitado de antiqüíssimo bordado a ouro sobre cassa da Índia.

SRA. TIMÓTEO NETO: vestido de ratzmir, preto, coberto de rendas Chantilly, enfeitado de chuveiro de vidrilhos pretos.

DONA ISABEL MORA DE AGUIAR: vestido de surah branco e broché branco, grandes ramagens.

DONA SOFIA MONTENEGRO: vestido de cauda, de cetim Duchesse branco e belo broché de seda branco.

SRA. ALFREDO E. DOS SANTOS: vestido de faille francês, cor de ouro, de cauda, gaze de seda branca, bordado de seda frouxa e flores de acácia.

DONA TERESINHA SOUTO: vestido de broché de seda encarnada, corpo de pelúcia encarnada e saia coberta de filó de seda creme, bordado de folhas de tinhorões e flores – rainhas margaridas cor-de-rosa.

SENHORINHA MIMI AGUIAR: vestido de surah branco coberto de crepe da China branco bordado e faixa broché branca.

SENHORINHA MARIA RITA AZAMBUJA: vestido de peau de soie cor-de-rosa, enfeitado de fitas cor-de-rosa.

SENHORINHA LAURINDA IPANEMA: vestido de crepe da China cor-de-rosa enfeitado de fitas.

DONA LUÍSA CAMPOS: vestido de ottoman saumon, coberto de rendas de Bruxelas verdadeiras.

SENHORINHA MARIA PEREIRA GUIMARÃES: vestido de surah cor-de-rosa, coberto de gaze de seda listada bordada de cores, enfeitado de fitas verde-musgo.

DONA ALEXANDRINA PEREIRA GUIMARÃES: vestido de faille francês azul-claro, corpo e cauda de broché azul-claro, bordados à Pompadour.

DONA PAULINA DE FIGUEIREDO: vestido a Empire em seda armure azul-celeste, com pinturas a óleo feitas por Aurélio de Figueiredo, guarnecido de rendas de Bruxelas, verdadeiras.

SENHORINHA HENRIQUETA CAPANEMA: toilette em surah-crême e renda Malines verdadeira, guarnecido de flores miosótis. Faixa de chamalote creme.

DONA EUDÓXIA TORRES REIS: toilette em gaze branca, túnica grega, guarnecido de seda rosa pálida e flores de margarida.

SRA. RAFFARD: toilette em gorgorão grenat.

SRA. BITTENCOURT: toilette em veludo grenat, com cauda bordada a ouro.

SENHORINHA BRITO SANCHES: toilette em faille azul elétrico, de cauda bordado a frocos da mesma cor, guarnição de flores creme.

  


Até às cinco horas da manhã vinham em regresso os convidados na barca iluminada. Longas filas de carruagens ainda se postavam no cais Pharoux.

Pesadas nuvens pardacentas envolviam a atmosfera. Fora, não obstante, realizada a última festa da Monarquia. O encantamento daquele sábado velou o indício da borrasca em perspectiva; ela viria depois dos esplendores da festa maravilhosa, anunciar uma outra aurora e acordar-nos de um sonho fantástico.

Que sonho! Que encerramento para um ciclo de ouro foi aquele baile que ainda nos assombra com o seu esplendor grandioso!
Francisco Marques dos Santos

Notas sobre a ilha Fiscal

Com a assistência do imperador, do conde d’Eu, srs. presidente do Conselho de Ministros da Fazenda, do Império, Marinha, conselheiros Duarte de Azevedo, Bandeira de Melo e Carlos de Carvalho, oficiais-generais e superiores da Armada, Exército e representantes das diversas classes sociais, inaugurou-se, a 27 de abril de 1889, na ilha Fiscal, o edifício destinado ao serviço marítimo da Alfândega, compreendendo a fiscalização do porto.

Às dez horas e meia, embarcaram na galeota imperial S. M. o Imperador e S. A. o conde d’Eu, acompanhados dos srs. conde de Mota Maia, barão de Ivinheima e conselheiro Aquino e Castro.

Recebidos no cais pelo presidente do Conselho e ministros do Império e da Marinha, conselheiro Duarte de Azevedo, Sampaio Viana, inspetor da Alfândega, comendador Adolfo Fortunato Hasselmann, guarda-mor, engenheiro Del-Vecchio e outras pessoas, ao som do Hino Nacional executado pelos menores do Arsenal de Guerra e corpo policial da província do Rio de Janeiro e de vivas levantados pelas tripulações dos navios da Alfândega, formados em alas, dirigiram-se Suas Majestades e Alteza para o edifício e depois de percorrerem o pavimento térreo, subiram ao primeiro andar, em cuja sala de honra se demoraram algum tempo.

Aí apresentou o conselheiro João Alfredo o auto da inauguração, que Sua Majestade, depois de ler, dignou-se assinar. Em seguida assinaram Sua Alteza, os ministros, os semanários e pessoas presentes.

Às onze e meia retiraram-se Suas Majestades e Alteza, com as formalidades com que foram recebidos.

Por iniciativa do inspetor da Alfândega, conselheiro Carlos Américo Sampaio Viana, que instava pela necessidade de criar-se em lugar apropriado na baía um posto fiscal para o serviço da Alfândega, foi, em 1881, quando ministro da Fazenda o conselheiro José Antônio Saraiva, assentada a primeira pedra do edifício a 6 de novembro, sendo engenheiro o dr. Adolfo José Del-Vecchio, diretor de Obras do Ministério da Fazenda que dirigiu a construção desde os fundamentos.

As obras, iniciadas sob a administração do conselheiro Saraiva e modificadas na do marquês de Paranaguá, foram continuadas pelos conselheiros Martinho Campos, Lafaiete, Dantas, Saraiva, Belisário e concluídas na do então ministro da Fazenda, visconde de Ouro Preto.

A antiga ilha dos Ratos, pela sua posição no meio do porto e em frente à barra, fora o lugar escolhido para levantar-se o posto fiscal, de cujas altas torres se pudesse dominar quase toda a baía.

O edifício, então projetado, era de mais modesta arquitetura e de menores detalhes de construção. Reconheceu-se, porém, depois, a conveniência de uma construção mais importante e de adotar-se um estilo arquitetônico mais próprio e que correspondesse não só à posição em que estava colocado como da importância do serviço a que era destinado. Por isso, quando ainda na execução das fundações, foi ideado outro projeto, aprovado pelo ministro da Fazenda de então, marquês de Paranaguá.

A colocação do edifício na ilha isolada, no meio do ancoradouro, determinou que a fachada fosse tão elevada que pudesse ser vista através dos mastros dos navios ancorados nas imediações da ilha. Era imprescindível o emprego de aparelhos elétricos que iluminassem a baía; daí a necessidade de uma torre de suficiente altura. O estilo gótico, cujo característico é a flecha, podia ser, como foi, adotado para a construção.

No ponto em que está hoje a ilha Fiscal, viam-se antigamente algumas pedras à flor da água e sobre elas foi que as obras hidráulicas da Alfândega construíram muralhas de pedra formando a ilha, cuja superfície atingiu 7.000m2 ocupando, o edifício, que mede 68m de frente sobre 28m de fundo, proximamente a terça parte daquela área.

Voltada para a barra, a fachada principal descansa sobre um embasamento geral de cantaria lavrada com forras inclinadas de 1,80m de altura, tendo em volta lajedo bem trabalhado e lavrado.

Destaca-se na fachada o corpo central do edifício, que fica entre dois torreões. Este corpo central mede até a ponta da agulha que o coroa 53m de altura.

Para um e outro lado do corpo central estão as alas do edifício que acabam em dois elegantes pavilhões, formando os cantos da fachada principal.

Até o primeiro andar é todo de cantaria lavrada o corpo central.

Belos portais de ferro batido, no gosto da arquitetura gótica, encontram-se nas grandes aberturas originais, que davam passagem para a praça de armas, no pavimento térreo.

Escadas de cantaria comunicam essa praça com o interior e por duas daquelas escadas, que estão entre bem acabados escudos de cantaria, vai-se aos salões das duas alas do edifício, seguindo-se a elas as portas ao lado do edifício, que correspondem aos pavilhões e fazem os cantos da fachada principal.

Nos pavilhões ficavam acomodadas as dependências do serviço do posto fiscal.

Destacavam-se na praça de armas quatro feixes de colunas de granito, que assentam sobre elevados pedestais, nos quais estão apoiados os arcos do mesmo material, formando o esqueleto das abóbadas ogivais de que é constituído o teto desta parte.

No segundo pavimento estava a sala de honra, com outro sistema de colunas de cantaria, dispostas em quatro feixes, sustentando as abóbadas ogivais que ainda constituem o teto da mesma sala.

O corpo central tem altura superior a 30m repousando sobre colunas que parecem frágeis, mas sustentam o grande peso que vem das abóbadas ogivais dos dois pavimentos.

É tão bem feito o fecho destas abóbadas, que parece de cantaria falhada em um único monólito, sendo quase impossível descobrir as juntas das pedras.

Combinados em um mosaico de estilo gótico eram os soalhos da sala de honra; neles se encontram as nossas mais belas madeiras.

Nas paredes laterais da sala de honra, em óculos abertos e em quadros de largos rosáceos de cantaria lavrada, destacavam-se em vitrais coloridos a fogo os retrato de S. M. o Imperador e de S. A. Imperial. Esses retratos eram ornados pelas armas imperiais, tendo o último uma inscrição em latim, sobre a abolição dos escravos.

No interior de um dos torreões havia comunicação do pavimento térreo com o primeiro andar do edifício, feita por uma escada de cantaria helicoidal que vai até o terraço, que cobre o corpo central, no centro do qual se eleva a torre de cantaria, onde estavam colocados os relógios e o holofote.

De cantaria é toda a torre, que apresenta nos quatro cantos colunas salientes que suportam as vigas, tendo pára-raios nas extremidades das agulhas.

Uma escada helicoidal, que há dentro da torre, comunicava com o terraço o corpo central e os pavimentos em que estavam os aparelhos acima referidos.

Fixa sobre a cantaria elevava-se a agulha, que é o ponto em que terminava o corpo central e que formava pirâmide octogonal muito aguda, em cujas faces se viam janelas com venezianas de réguas de cristal grosso.

Constituía a agulha bem combinada armação de ferro duplo T, sendo os interstícios cheios por tijolo oco.

É de mais de sete metros de altura, com um pára-raios ornado de florões e uma coroa armilar de 0,80m de diâmetro, a grande flecha que partia do topo da agulha.

A rede de defesa contra os raios foi combinada de maneira que em cada um dos torreões e nas flechas que rematam as atalaias da torre e a grande agulha existiam pontas convenientemente ligadas aos condutores.

Na torre do corpo central estava instalado um holofote, sobre engenhoso suporte que se movia em qualquer direção. Elevava-se a 60.000 velas a força do holofote, podendo assim examinar qualquer ponto do porto e facilitar a fiscalização.

Em todas as salas e dependências havia lâmpadas elétricas de luz fixa que funcionavam com a eletricidade fornecida por diversas má-

quinas, por meio de bem combinada rede de condutores. As máquinas elétricas eram montadas em casa independente do edifício.

Feita pela eletricidade a iluminação do relógio da torre, via-se durante o dia e à noite a hora exata nos quatro mostradores.

Todos os vidros do edifício eram coloridos a fogo, representando os principais emblemas do século XIV, de estilo gótico.

A ilha Fiscal estava ligada à Alfândega por uma linha telegráfica, tendo-se para isto instalado um cabo submarino entre ela e o litoral.

Concorreram para esta obra, com os trabalhos de cantaria, o comendador Antônio Rodrigues Teixeira que os executou com a máxima perfeição, principalmente as armas imperiais, sustentadas por dragões, que ornam o frontão do segundo pavimento da fachada; com a construção e montagem da grande agulha de ferro do corpo central, os srs. Manoel Joaquim Moreira & Cia.; com o mosaico da sala de honra, os srs. Moreira & Carvalho; com o relógio da torre, os srs. Krussman & Cia. que o montaram; com os aparelhos elétricos e sua colocação, o sr. Léon Rodde e com os trabalhos de pintura o sr. Frederico Steckel.

Durante a festa da inauguração foi distribuído um número especial do Boletim da Alfândega do Rio de Janeiro, contendo, além das matérias habituais, uma notícia sobre o posto fiscal.

Acompanhava esse boletim um minucioso quadro de rendas das alfândegas do Império desde 1808 até o exercício de 1885-1886 e um diagrama indicando a renda arrecadada pela Alfândega do Rio de Janeiro desde 1808 até 1888, comparada com a renda arrecadada pelas outras alfândegas, a receita geral, excluídos os depósitos e operações de crédito e o movimento da importação e da exportação.

Por ocasião da inauguração de seu edifício, a ilha Fiscal esteve em exposição pública durante três dias.
  
Fontes de consulta:


  • Jornal do Comércio de 27 e 28 de abril de 1889.

  • Revista dos Construtores de fevereiro de 1886 e abril de 1889.

  • Memórias (inéditas) do engenheiro Adolfo José del Vecchio, construtor da ilha Fiscal.

Notas

  1   2


©www.principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal